http://filotec.com.br

http://filosofiaetecnologia.blog.br
ECONOMIA TECNOLOGIA FILOSOFIA SAUDE POLÍTICA GENERALIDADES CIÊNCIA AUTOHEMOTERAPIA NOSSOS VÍDEOS FACEBOOK NOSSAS PÁGINAS

QUEREM ACABAR COM A APOSENTADORIA

domingo, 27 de setembro de 2009

A CURA PELA URINOTERAPIA.

É fantástico como a Natureza propicia meios para que possamos nos curar de inúmeros males. Os Índios por exemplo não dispões da medicina avançada, mas com suas técnicas, usando plantas e fitoterápicos, conseguem realizar muitos tratamentos. Isso nos chega pela graça de Deus que colocou na Natureza os meios para que possamos diminuir nossos sofrimentos. Cabe ao homem descobri-los.

Uma dessas formas de cura ao lado da AUTOHEMOTERAPIA já comentada em matéria anterior é a URINOTERAPIA. O que é isso?


URINOTERAPIA



"Motivado pela exposição do Pe. Renato Barth, que apresentou o tratamento preventivo e curativo pela Urinoterapia, fiz uma interessante experiência comigo mesmo eliminando vários pequenos problemas de saúde. Em face da importância que a Urinoterapia representa no processo terapêutico da cura das enfermidades e vários pedidos de informações a respeito do assunto, tomei a iniciativa de fazer uma espécie de síntese de um material que chegou em nossas mãos. Se este trabalho ajudar a quebrar um pouco os tabus existentes a respeito do assunto e as pessoas aplicar o tratamento com tranqüilidade, sem medo ou temor, sinto que terá valido a pena o esforço de sintetizá-lo.













Introduzindo



O que é urina?



História da Urinoterapia



Curiosidades sobre a urina



Estudos científicos sobre a urina



Aplicação da urina



As reações recuperativas



Indicações da Urinoterapia



Doenças curadas pela Urinoterapia



Observações



Outros sites











--------------------------------------------------------------------------------



"Bebe a água da tua cisterna, a água que jorra do teu poço.



Não derrames pelas ruas teu manancial, nem seus ribeirinhos pelas praças.



Seja para ti somente, sem reparti-lo com estrangeiros.



Bendita seja a tua fonte..."



(Provérbios 5,15-19)







1. Introduzindo







A Urinoterapia é uma forma de aplicar a medicina que existe a muito tempo, com escritos datados de 5.000 anos antes de Cristo. Ultimamente, está sendo motivo de atenção pública em todo o mundo. Alguns poderão sentir até nojo ao escutar a palavra urina. Mas, aqui, é bom deixar de lado tudo e ter uma atitude de investigação. Ir ao encontro da verdade. Quem sabe estamos descobrindo algo maravilhoso que nos traga solução para casos desesperantes de enfermidades em nossas famílias. Acompanha-se mudanças rápidas na história do mundo. Há um anseio por grande transformação, está surgindo uma revolução silenciosa mas significativa. Uma destas revoluções chama-se URINOTERAPIA.





Há muito tempo se sabia que a urina é um medicamento muito valioso. Serve para curar quase todas as enfermidades sem provocar danos ao organismo. Os Hindus a usavam para curar tumores (câncer) ou artrites. Os Árabes curavam doenças da cabeça ou da boca. Os Japoneses curavam gonorréia e sífilis. Os Nicaragüenses curam conjuntivite, inflamação do ouvido e parasitas. Com o desenvolvimento das ciências, tecnologia e modernização da vida abandonou-se esta boa tradição. Veio o reinado dos remédios químicos com materiais estranhos ao organismo. Estes não resolveram os problemas de saúde apesar de contar em suas fileiras mais de 12.000 espécies.





A situação da saúde da população piorou muito e sinal disso é o aumento de casos de câncer, SIDA, apatetes, asma... até a terra, o ar, o mar, os rios, as plantas, os bosques e os animais estão doentes. Se não houver uma reflexão sobre o assunto não há boas perspectivas de melhorar a questão de saúde. É possível que um dia se chegue a cura da SIDA., mas com certeza surgirá uma doença pior com vírus, fungos ou bactérias mais resistentes.





Os medicamentos químicos possuem duas faces. Ajudam um pouco a curar doenças, mas, geralmente, possuem um efeito colateral. Atacam outros órgãos. Debilitam a resistência imunológica do organismo.As vantagens do uso dos medicamentos são menores que os riscos. Está chegando o tempo de abandonar a fé nos medicamentos químicos. Não se pode esquecer que a indústria farmacêutica se desenvolveu pensando mais em vantagens para si, que a preocupação da saúde da população. Se há uma solução bem mais simples, por quê não experimentá-la.





Nosso corpo é uma fábrica farmacêutica natural. Produz o que é necessário, como: analgésicos, antibióticos, materiais imunológicos e vários hormônios sofisticados para curar e prevenir doenças. Se nos tornarmos dependentes dos fármacos, nosso organismo não os produz, os metabolismos não funcionam e se atrofiam. A solução é quebrar com esta cadeia de dependência e aumentar a resistência do sistema imunológico, com uma boa resistência imunológica não há mais enfermidade. A urina é um excelente passaporte para isso.



Apesar da ciência moderna ter inventado muitas coisas, sabe e pouco ainda a respeito dos mecanismos que envolvem a vida do ser humano. A verdade das coisas pode estar de uma forma muito simples em nossas mãos ou dentro de nós mesmos. Tomando a própria urina você saberá onde está a verdade.











--------------------------------------------------------------------------------





2. O que é urina?







Diariamente, passam pelos rins 180 litros de sangue. Destes, 99% retornam para o organismo filtrado e 1% sai como urina. Os ingredientes, cor e cheiro são muito semelhantes ao soro do sangue. As pessoas sadias não possuem bacilos ou micróbios em seu sangue e tampouco em sua urina. Quando alguém tem um infecção renal ou outro tipo, é possível que tenha mas em tão pequena quantidade que não afeta em nada um tratamento feito pela urina. Antes, essa pequena quantidade funciona como uma auto vacina. Há o caso do médico R. Nakao, fundador da Associação Acadêmica da Sociedade Médica do Japão, que aplicou , na segunda guerra mundial, tratamento urinoterápico a casos de gonorréia em soldados e civis com bons resultados. Em casos de aplicação de urina em infecção do aparelho urogenital, a cura se dá em pouco tempo.





Consideremos o caso do feto que cresce entro de uma bolsa do útero. Ele cresce tomando diariamente um quantidade líquido amniótico, que é semelhante a urina em seu conteúdo. Estudos desenvolvidos dizem que o feto nos últimos meses urina 500 cc diariamente. E toma a mesma quantidade do líquido contendo a urina.





Por estas considerações vemos que a urina não é algo sujo. Se Deus preparou este ambiente para que nascesse uma nova vida, como se pode crer que a urina é suja? Essa é a idéia e produto da cultura e educação de nossa sociedade.









--------------------------------------------------------------------------------





3. História da Urinoterapia







Os costume de usar a urina com meio de tratamento existe no mundo há muito tempo. O veda hindu chamado SHIVAMBUKALPA (5.000 aC) dedica 107 capítulos à Urinoterapia. Entre os budistas da Ásia sempre houve a prática da Urinoterapia. No Japão, um mestre do budismo chamado IPPEN criou uma seita com mais de um milhão de crentes. Seu sucesso estava nos fundamentos da seita baseada na Urinoterapia. Os monges tibetanos tem a tradição e costumes de tomar sua própria urina e vivem até 150 anos de idade.





No Golfo Pérsico os odontólogos árabes usavam urina para tratar cáries e problemas das gengivas como antibióticos e analgésico. Na América Central o uso da urina é comum. Em El Salvador o costume é muito difundido nas zonas rurais. Na Nicarágua os curandeiros recomendavam a seus pacientes o uso da urina para o combate de diversas enfermidades.









--------------------------------------------------------------------------------





4. Curiosidades sobre a urina







Os rins tem várias funções indispensáveis para manter a vida através da produção da urina. Por ela são evacuados materiais tóxicos, mantém-se o equilíbrio ácido-base e o metabolismo eletrolítico. O sangue é filtrado pela cadeia de pequenos orifícios no interior do rim. Há uma membrana que filtra umas 7.000 moléculas de uréia e ácido úrico e deixam passar em torno de 50.000 moléculas de proteínas ou glóbulos.





A quantidade de filtração é de 120 ml por minuto ou 180 litros por dia. O líquido filtrado passa por tubos urinários e é reabsorvido ou secretado. 99% é reabsorvido e circula como sangue e 1% sai como urina (aproximadamente 1,5 litros). Desta forma concluímos que a urina é um produto do sangue.







Materiais reabsorvidos: água, sódio, d-glicose, aminoácidos, ou seja, a maioria dos componentes do sangue.



Materiais não absorvidos: uréia, ácido úrico, creatinina, sais minerais inorgânicos e produtos tóxicos.



Apresentação: coloração amarela. Uma pessoa produz, aproximadamente, 1,5 litros por dia, PH 5 a 8 (geralmente PH 5 a 6 ácidos), pressão osmótica 50-1500 m OSM por litro, peso específico 1050 a 1025. 5.









--------------------------------------------------------------------------------





5. Estudos científicos sobre a urina







A partir da década de 70 foram desenvolvidas algumas pesquisas. Descobriu-se que o ácido úrico da urina joga um papel muito importante para produzir e reativa o ADN das células. Uma segunda função do ácido úrico é o rejuvenescimento dos órgãos. Em 1971, na Universidade de Medicina de Koto (Japão), foram descobertos materiais anticorpos como Interoikin, Renina, Prostaglandina. Estes materiais combatem infecções e tumores malignos.





A Universidade de Harvard descobriu na urina o SPU hormônio que se produz durante o sono e funciona como antibiótico, analgésico, melhora a circulação sangüínea e promove a secreção de outros hormônios. Pelas funções destes hormônios se proliferam e fortalecem os materiais imunológicos como T-limp-glóbulo, imunoglobulina e glóbulos brancos.





As grandes empresas farmacêuticas de países industrializados, competindo para chegar primeiro, estão comprando e importando urina. Produzem cosméticos sofisticados para uso das mulheres da alta sociedade e preciosos medicamentos com anti-depressivos. No Japão, as empresas estão importando grande quantidade de urina dos soldados da Coréia do Sul. As mulheres ricas usam estes produtos a base de urina no combate às rugas que aparecem com o tempo. Passou a ser moda o uso de cosméticos, medicamentos e pastas de dente que contém uréia da urina humana.









--------------------------------------------------------------------------------





6. Aplicação da urina







Para se prevenir contra doenças se toma a quantidade de 100 cc (100 ml) por dia. Para o tratamento de uma doença já instalada se toma, no mínimo, 200 cc (200 ml) por dia. Para casos mais graves se pode tomar maiores quantidades pois a urina não possui contra-indicação ou limites de quantidade. Há casos em que são necessários recomendar tomar toda a urina que o corpo produz.





A urina pode ser tomada em qualquer hora do dia, mas a melhor é a primeira que sai de manhã. Nesta urina se encontra um material especial chamado SPU-hormônio. É um material hipnótico produzido durante o sono que age como antibiótico, analgésico, ativante da circulação e estimula a secreção de outros hormônios. Se é difícil para tomá-la. A princípio se começa com pequenas doses que depois poderão ser aumentadas gradativamente. O sabor da urina é mais suave quando se tem uma alimentação mais natural, vegetariana e com menos carne.



Há outras formas de aplicação da urina. O hospital de Guerson de S. Diego (USA) receita um jejum durante algumas semanas só de urina e verduras.





Depois do jejum começam receitar uma dieta a base de legumes e verduras. Assim são tratados cancerosos doentes de SIDA. No Japão, casos de câncer do intestino grosso ou útero, além de tomar urna aplicam no órgão doente urina com uma seringa. doenças da pele com úlceras, feridas, vitiligo, manchas escuras, varizes, alergias e outras, se aplica urina sobre a região afetada. No nariz, olhos e boca (inflamação, cáries, dores...) trata-se com bochechos ou enxaguando-as. A infecção vaginal lava-se com sua própria urina.





Na Índia o primeiro ministro Sr. Dasai, companheiro de Mahatma Gandi, costumava se banhar, fazer massagens, fazer xampu e tomar urina. Dizem que nunca adoeceu, está com 95 anos e continua trabalhando na política com energia. Assim podemos dizer que a urina produz bons resultados, tomando, colocando, introduzindo, enxaguando, massageando e banhando-se.





Unicamente não se recomenda injetar a urina pois é importante que ela passe pelo canais apropriados através dos quais ela será processada de acordo com as necessidades do organismo. É importante lembrar que a urina tomada não deixa gosto ou cheiro. Ao contrário, ela cura mau hálito que é problema de muitas pessoas. Após a ingestão da urina, se toma um pouco de água e pronto! Desaparece todo e qualquer sabor. No uso externo da urina é necessário lavar a região tratada depois de um determinado tempo. Somente neste caso costuma aparecer cheiro, se assim não se proceder.









--------------------------------------------------------------------------------





7. As reações recuperativas







São sintomas que aparecem quando se toma urina. As vezes se tem a sensação de que piora o estado de saúde. Não há por que se preocupar pois é uma reação sadia, positiva e necessária. Os sintomas que aparecem são aumento das dores, diarréia, furúnculos, alergias, comichão, aftas, febres, secreção dos olhos, mamas ou vagina, sensações estranhas no estômago e intestino, sono profundo, cansaço etc.







As reações não aparecem todas ao mesmo tempo, dependem da profundidade ou tempo em que a doença está instalada no organismo. Estas reações são sinais importantes de que está ocorrendo a cura. São reações passageiras e que variam de acordo com a gravidade da doença e a quantidade de urina ingerida. Deve se aceitar com tranqüilidade essas reações, não se preocupar com elas e até mesmo aumentar a quantidade de urina ingerida. Em pouco tempo essa reações desaparecerão.





Medidas para suavizar as reações recuperativas fortes:







começar ingerindo pequena quantidade de urina (um copo pequeno) para depois, aos poucos, ir aumentando;



em caso de dores, massagear o local com a própria urina;



nas alergias, furúnculos e outras reações na pela, aplicar urina com um algodão. Nos olhos, nariz e ouvidos, colocar urina com conta-gotas;



na garganta, útero, ânus, vagina e intestinos, aplicar urina com uma seringa;



suavizar as reações com uso de plantas medicinais adequadas e checadas, fazer exercícios como caminhar, correr, brincar, nadar, dançar...





Quatro princípios para que o tratamento tenha efeitos rápidos e tranqüilos:







acreditar firmemente que sua urina cura;



ter paciência de tomar a urina até alcançar a cura;



ter coragem de tomá-la, na primeira vez;



agradecer a Deus porque a urina é um presente de Deus.









--------------------------------------------------------------------------------





8. Indicações da Urinoterapia







Indicada contra infecções, como os antibióticos.



Indicada contra tumores como câncer e sarcomas.



Indicada para dissolver materiais estranhos como cálculos renais, biliares etc.



Indicada para equilibrar os hormônios.



Indicada para equilibrar a hipo/hiperfunção dos nervos.



Indicada para melhorar a circulação sangüínea.



Indicada para fortalecer a resistência do sistema imunológico.



Indicada para produzir anticorpos.









--------------------------------------------------------------------------------





9. Doenças curadas pela Urinoterapia







Enfermidade sexual - gonorréia.



Enfermidades do tecido conjuntivo - artrite-reumatóide, esclerodermia, lupus erythemadoides sistemático.



Tumores malignos - sarcomas do fígado, tireóide, esôfago, cólon, pâncreas, colo do útero, ovário, mamas, próstata, leucemia, linfoma maligno (vasos linfáticos).



Tumores benignos - ovário, cólon, estômago, esôfago e útero.



Enfermidades infecciosas - herpes, malária, aftas, hepatites, cirroses, gripes, catarro etc.



Enfermidades cérebro-cardio-vasculares - derrame, tumor cerebral, tumor artéreo cerebral, enfarte, angina, arritmia e hiper/hipotensão.



Enfermidades respiratórias - asma, bronquite, pneumonia, tuberculose, tosse crônica, faringite, amidalite.



Enfermidades digestivas - esofagite, gastrite, úlcera gastroduodenal, colite, diarréia, pólipo digestivo, cálculo de vesícula, hemorróidas.



Enfermidades genito-urinárias - cálculos dos rins, bexiga, nefrose, infecção renal, vaginite e pólipo de vagina.



Enfermidades ginecológicas - problemas de menstruação, pólipo de útero, ovário, mastite, fibroma mamário, uteromioma, endometrite.



Enfermidades ortopédicas - lombalgia, artrite, ciático e neurite.



Enfermidades dermatológicas - dermatite nervosa, alergia, abcesso, hongo, comichões, furúnculos.



Enfermidades sensoriais - catarata, retinite, hemorragia retinal, zumbido, otite, dor de ouvido, sinusite e conjuntivite.



Outras enfermidades - gota, diabete, hemofilia, depressão, insônia, neurose, enxaqueca, impotência, contaminação radioativa, epilepsia, histeria e desnutrição.









--------------------------------------------------------------------------------





10. Observações







Em caso de pressão alta se recomenda o uso de urina pois ela contém potássio que ajuda a baixar a pressão.



No período da gravidez o uso de urina não prejudica o feto e a mãe. A urina ajuda a gravidez permanecer em bom estado.



A urina é excelente para crianças pois previne infecções e parasitas.



A urina não deixa cheiro na boca. Por sinal ela cura o mau hálito e outros males provenientes da boca e estômago. Para eliminar algum sabor da boca basta fazer um bochecho e beber um gole de água. Somente no uso externo pode aparecer algum cheiro, por isso após o tempo de uso é necessário lavar com água a região tratada.



É normal que a urina mude sua coloração de um dia para o outro. A coloração depende de vários fatores tais como: tipo de alimentação, hortas de sono, cansaço ou emoções. Pode se continuar tomando sem problemas.



As reações recuperativas costumam aparecer de múltiplas formas e nem sempre ao mesmo tempo. Tudo dependerá da quantidade de urina e do tempo ou gravidade da enfermidade.



Há casos de algumas doenças que não se possui conhecimento oficial de cura, mas se sabe nestes casos que pelo menos o sofrimento dos pacientes foi amenizado. Houve aumento de resistência do sistema imunológico.









--------------------------------------------------------------------------------



NOTA: Este texto foi elaborado em espanhol, sendo consultadas 33 bibliografias. Não as relaciono por questão de economia de espaço e para facilitar o despacho via Correios."







--------------------------------------------------------------------------------



Pedidos para:



Pe. SENITO DURIGON



Caixa Postal 176



78.932-000 Ariquemes, RO - BRASIL





--------------------------------------------------------------------------------





11. Outros sites








terça-feira, 22 de setembro de 2009

DISCOS SEMELHANTES A CDs COM QUINHENTOS GIGABYTES DE CAPACIDADE, PODENDO CHEGAR A UM TERABYTE

No início os primeiros computadores tinham uma memória interna que era chamada RAM e outra que era chamada ROM. A ROM, além das instruções necessárias para que o computadore começasse a funcionar, tinha embutido também um conjunto de instruções que permitiam a usuário fazer programas basicos, e que chamava-se BASIC. Foi a febre dos micreiros da época. Mas tinha um inconveniente. Uma vez que o programa fosse criado, ao desligar o computador ele se perdia. Por isso inventaram uma forma de gravar os programas em uma fita cassete. Um gravador comum que gravava em uma fita cassete os bites e bytes.

Essa técnica era ruim porque os programas ficavam em fila e para se chegar a eles era necessário passar os que estavam na frente. Posteriormente criou-se o disco que eram de cinco polegadas e depois de tres e meia polegadas. Nele se podia gravar os programas, e ao serem carregados podia-se visualizar um índice na tela e ter-se acesso a eles de forma randomica, ou direta sem necessidade da "FILA".

Foi uma revolução. Depois veio um disquinho com maiscapacidade que os primeiros de capacidade com 1,2 Megabytes. Esse disquinho vinha em uma embalagem plástica, e tinha 1,44 megabytes. Uma maravilha.

O tempo passsou até que apareceu o CD (Compact Disk). O CD tinha várias vantagens. A gravação era ótica e não magnética. Na gravação magnética os dados se perdiam com muita facilidade. Os fungos proliferavam quando as mídias ficavam armazenadas por muito tempo, destruindo dados, e nos CDs os dados ficavam mais seguramente armazenados, não tinha o perigo da magnetização se perder e a leitura era mais precisa e estavel, e o melhor. Tinham capacidade para fantásticos seiscentos e cinquenta Megabytes (posteiriormente chegou-se a setecentos megabytes) contra os 1,44 megabytes dos DISQUETES.


Pouco depois evoluiu-ser para o DVD que apresentava 4,7 gigabytes de capacidade, depois surgiu as mídias de dupla camada que dobravam esse valor.

Finalmente chegamos aos dias de hoje, em que mídias ainda mais poderosas estão ai. O HDDVD com 15 Gigabytes perdeu terreno para o BLURAY com 25 Gigabytes.

Isso ainda é pouco. Estã para chegar os primeiros discos holográficos primeiramente com 500 Gigabytes de capacidade, prometendo a chegar a fantásticos 1 TERABYTE de capacidade.

Pesquisadores da GE apresentaram um material micro-holográfico do tamanho de um disco de DVD com capacidade de armazenamento de 500 gigabytes. Isto equivale à capacidade de 20 discos Blu-ray de camada única, de 100 DVDs ou de um disco rígido de um microcomputador robusto.




Os discos micro-holográficos da GE, que ainda estão no estágio de laboratório, sem previsão para comercialização, exigirão seus próprios leitores, ligeiramente diferentes dos atuais equipamentos de leitura de Blu-ray ou de DVD.


Armazenamento holográfico de dados




O armazenamento holográfico é diferente dos formatos atuais de armazenamento óptico, como os discos de DVD ou Blu-ray. Os discos DVD e Blu-ray armazenam a informação somente numa superfície, chamada camada. Um disco pode ter uma ou mais camadas.



A tecnologia holográfica utiliza todo o volume do material do disco. Os hologramas, ou padrões tridimensionais que representam bits de informações, são gravados no disco e podem então ser lidos.



Embora a tecnologia de armazenamento holográfico da GE seja uma inovação em termos de capacidade, o equipamento e os formatos são similares à atual tecnologia de armazenamento óptico, de modo que o aparelho de leitura de disco micro-holográfico poderá permitirá aos usuários tocar, ler ou assistir seus CDs e DVDs, embora o contrário não seja válido.

Marcas micro-holográficas




Os engenheiros da empresa conseguiram gravar marcas micro-holográficas ("bits holográficos") com um diâmetro de cerca de 1 micrômetro, com cerca de 1% de reflexividade. Quando se utiliza o tamanho dos discos ópticos de DVD ou Blu-ray, essa redução na dimensão das marcas ainda garantem reflexividade suficiente para permitir inserir até 500 GB em um disco do tamanho de um CD.



"A inovação da GE é um grande passo para trazer a próxima geração de tecnologia de armazenamento holográfico para o dia-a-dia do consumidor", comentou Brian Lawrence, que lidera o programa de Armazenamento Holográfico da GE. "O dia em que você poderá armazenar toda a sua coleção de filmes de alta definição em um único disco suportando formatos de alta resolução, como televisão 3-D, está mais próximo do que você supõe."



Mercado empresarial



A GE vem trabalhando na tecnologia de armazenamento holográfico há mais de seis anos. A demonstração dos materiais que podem suportar 500 gigabytes de capacidade representa um importante marco na produção de discos micro-holográficos que poderá, em tese, chegar ao armazenamento de mais do que um terabyte, ou 1.000 gigabytes, de dados.



Além de pressionar os limites da capacidade de armazenamento, os pesquisadores também se concentraram em tornar a tecnologia facilmente adaptável aos formatos de armazenamento óptico existentes e aos processos de fabricação industrial atuais.



Para levar a tecnologia de armazenamento holográfico ao mercado, a empresa afirma que irá focar primeiro o setor de armazenamento de dados empresariais e, em seguida, o mercado de consumo.

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

MONTE UMA REDE DOMÉSTICA PARA COMPARTILHAR INTERNET E IMPRESSORA

A muito tempo os hoteis vem disponibilizando em seus quartos, aos hospedes o acesso à Internet. Isso é particularmente importante para executivos que hoje precisam de Internet para tudo. Dessa forma há nos Hoteis redes que uma vez plugadas ao notebook do cliente, permitem que esse possa navegar a vontade. Há Hoteis que oferecem esse serviço gratuitamente, mas há os que cobram por uma período de navegação em troca de um pagamento, quando então disponibilizam uma senha para acesso. Além disso há planos para CIBER CAFÉS, AEOROPORTOS etc... Pode-se comprar um plano de acesso para esses locais, mas nesse caso como em muitos hoteis da atualidade o acesso não se dá mais por redes com cabos, mas por uma internet sem FIO chamada WIRELESS.
Hoje em dia há muitas pessoas que querem montar redes em casa e o mais comum é montar uma rede WIRE LESS (SEM FIO). Veja que a REDE BLUETOOTH não serve para compartilhamento de Internet porque tem baixa velociade. Sua velocidade atende muitos periféricos mas não a Internet.
Portanto se você quer montar uma rede doméstica interligando vários computadores e compartilhando o acesso à Internet entre eles, você tem duas opções bastante comuns. Montar uma rede cabeada, ou seja inteligada por meio de cabos, ou uma rede sem fio, no caso a popular WIRE LESS.
Há várias formas de se montar redes. Se forem cabeadas pode-se utilizar HUBS, SWITS ou ROTEADORES, mas a mais segura e estável rede é a que emprega ROTEADORES, sejam cabeados ou Wireless (Com fio ou sem fio).
Essas redes seguem o protocolo TCP/IP (O mesmo protocolo da Internet), e por isso são muito velozes. A rede cabeada tem muito poucas perdas, e por isso é a mais estavel, segura e veloz, já a rede Wireless tem perdas, e sua velocidade pode-se situar em torno da metade da rede cabeada, porém a velocidade dessas redes é tão alta que mesmo com perdas a diferença não será notada na maioria das vezes.
Notebooks já a algum tempo tem incorporados em si as redes WIRELESS e também as cabeadas que são utilizadas plugando-se o cabo de rede no conector correspondente. Se você chegar em um hotel e quiser utilizar a rede Wireless, terá que apertar o comando (Normalmente designado por um conjunto de duas teclas) para que o sistema de radio Wireless inicie a funcionar. Portanto se você tem um notebook ele já está preparado para utilizar redes Wireless. Não precisa comprar mais nada para ele.
Os roteadores cabeados tem normalmente uma porta WAN e quatro portas LAN. Na porta WAN deverá ser plugado o cabo de rede que vem do moddem ou do CABLEMODDEM se for o caso de internet a cabo. Nas portas LAN devem ser conectados os micro computadores que se comunicarão por meio da rede caseira interna. Experimente acessar então as propriedades de rede e configurar o protocolo TCP/IP. Coloque como conexão automática, clique em OK e depois é só navegar.
Se o seu ROTEADOR é Wireless ele vem preparado para conexões cabeadas ou sem fio. Nesse caso você pode plugar o computador mestre em uma porta LAN (CABEADA) e os outros se conectarão pela rede Wireless.
Se você tiver mais de tres micros ligados em rede (No caso de rede cabeada) haverá necessidade de se colocar um swit para aumentar o número de entradas para mais micros ou periféricos ligados à rede. Hoje é comum ter um impressora por exemplo com acesso por rede. Nesse caso ela ocupará uma das portas LAN e terá um endereço TCP/IP
Paralelo ao sensível crescimento do mercado de notebooks no Brasil, nada mais lógico que as chamadas redes residenciais de padrão Wi-Fi (ou Wireless Fidelity) sigam a mesma tendência. Portanto, comece a pensar em desfrutar na sua casa as maravilhas da Internet sem fio, uma tendência irreversível e muito bem-vinda. Confira o que você precisa saber para montar uma WLAN sem dificuldades, conhecendo siglas e componentes.
802.11 – arquitetura de radiofreqüência definida pelo IEEE (Institute of Electrical and Eletronics Engineers) para redes sem fio no padrão WLAN. Por conta de sua enorme difusão, esse código praticamente se tornou sinônimo de rede local sem fios.
Como se trata de um formato de código aberto, acessível a todos, o 802.11 é usado na maioria dos hotspots espalhados em aeroportos, universidades, restaurantes e mais uma infinidade de estabelecimentos. Desta forma, as fabricantes de notebooks também já oferecem embutidos nos equipamentos placas Wi-Fi adaptados para este tipo de freqüência. Caso seu laptop não tenha esse componente, ele pode ser encontrado facilmente em lojas de informática. Basta espetá-lo em uma porta USB do portátil.
Existem vários tipos de padrão 802.11 e cada um conta com características próprias, principalmente no que se refere à velocidade de transmissão de dados. Atualmente, os mais utilizados são:
802.11a – atinge até 54 Mbps (megabits por segundo) dentro dos padrões da IEEE e de 72 Mbps a 108 Mbps por fabricantes não autorizados. No entanto, a taxa real comum é de 25 Mbps, com raio de alcance de 30 m a partir do ponto de emissão do sinal. Operando na freqüência de 5GHz, suporta até 64 usuários por ponto de acesso. Suas maiores vantagens são a velocidade, gratuidade da freqüência e ausência de interferências. No entanto, este padrão consome uma quantidade alta de energia, tem alcance limitado e equipamentos com alto preço.
802.11b – alcança velocidade máxima de 11 Mbps ou até 22 Mbps em equipamentos não padronizados, sendo que sua taxa de transmissão média é de 6,5 Mbps. Suporta até 32 usuários por ponto de acesso e tem alcance de até 50 m. Devido a sua faixa de freqüência de 2,4 GHz, está mais exposto a interferências. Suas maiores vantagens são o baixo dos dispositivos.
802.11g – traz velocidade superior a do padrão b – 54 Mbps no máximo, com taxa média real de 25 Mbps – funcionando também na freqüência de 2,4Ghz, sofrendo também com as interferências de seu “colega” b.
Atualmente, as fabricantes de dispositivos Wi-Fi oferecem produtos compatíveis com estes três padrões, mas existem outros formatos de 802.11.
Componentes para montar uma rede Wi-Fi
Acess Point Router– os acess point routers são dispositivos que se comunicam com o computador – ou com vários, caso o usuário queira montar uma rede doméstica com vários PCs e/ou notebooks. Plugado no modem que fornece o acesso à Web, ele distribui o sinal via ondas de rádio e permite que todos os equipamentos configurados consigam navegar pela Internet. Os mais indicados para quem quer utilizar Internet sem fio em casa são aqueles que contam com o padrão 802.11g.
Outro fator que o usuário deve levar em conta na hora de montar uma rede Wi-Fi é decidir em que local ele deve colocado. Isso porque tais equipamentos têm alcance limitado, com 50 m em média e à medida que você se distancia do dispositivo, a velocidade de conexão cai. Além disso, paredes e vidros funcionam como obstáculos para obstruir o sinal. Por isso, é recomendado que o usuário instale o roteador em uma área central da casa. Entre as principais fabricantes de acess point, estão a 3Com, a Linksys e a D-Link, com preços que variam entre R$ 180 a R$ 580, de acordo com as especificações do modelo (número de portas, velocidade, etc).
Uma vez o acess point conectado ao modem, o usuário deve configurá-lo para direcionar o serviço de Internet para o modem. A maioria dos equipamentos vem configurados para receber essas instruções do modem automaticamente. No entanto, se o serviço de banda larga escolhido pelo usuário for de Internet a cabo (Virtua, da Net ou Ajato, da TVA), o acess point deve ser configurado para fazer a clonagem do Mac Adress (endereço físico da placa de rede). Se o serviço de banda larga for ADSL (Speedy, da Telefonica, Velox, da Telemar, entre outros), o acess point precisa ser roteado, ou seja, configurar usuário e senha no acess point por meio da configuração de protocolo PPOE.
Para realizar este processo - um tanto quanto complicado, admitimos - o usuário deve entrar no navegador Internet Explorer e digitar um endereço IP fornecido pelo fabricante. Inserido o IP, é necessário entrar com o código de usuário e senha - também fornecido pela fabricante - e acessar o painel de configuração do acess point router, para realizar a conexão.
Antena repetidora – equipamento indicado para quem mora em casas muito grandes ou até mesmo em sobrados. A antena é essencial para manter o sinal da Internet sem fio forte, quando o usuário queira se locomover por vários cantos da casa com seu notebook ou handheld.
Placa Wi-Fi/Cartão PCMCIA – estes componentes são indicados para os usuários que possuem um PC ou notebook mais antigos e que não contam com estas placas de comunicação Wi-Fi pré-instaladas. A boa notícia é que para usar tais dispositivos basta plugá-los em qualquer porta USB (no caso, uma placa Wi-Fi) e instalar o software (via CD), em um processo que demora poucos minutos. O mesmo vale para os cartões PCMCIA (exclusivo para notebooks) que, no entanto, contam com um slot específico. A má notícia é que se este for o seu caso, você precisará desembolsar mais R$ 100, R$ 130 – em média - para adquirir tais acessórios.
Segurança
Um problema que o usuário de redes Wi-Fi deve ficar atento é para o quesito segurança. Isso porque, como dissemos anteriormente, o padrão 802.11 é aberto e, por isso, é comum que “espertinhos”, com um pouco mais de conhecimento de tecnologia se aproveitem de uma rede localizada na casa ou apartamento do lado, usando a banda larga sem pagar nada e, para piorar, tornado a velocidade de conexão do proprietário original mais lenta. Além disso, crackers mal intencionados podem interceptar a transmissão de dados para se apropriar de senhas bancárias, números de cartões de créditos, entre outros dados sigilosos.
Para se prevenir de tais problemas, é necessário instalar e alterar periodicamente o código de acesso à rede. Para isso, o usuário deve também entrar no navegador e digitar um endereço IP fornecido pelo fabricante e, logo a seguir, entrar com o código de usuário e senha - também fornecido pela fabricante - e acessar o painel de configuração do acess point router. Feito isso, o usuário deve selecionar o sistema de encriptação que julgar mais adequado (informação protegida em 64, 128 ou 256 bits, nos sistemas WEP, WPA ou WPA2). Quanto maior o número de bits, mais protegido estarão os dados. No entanto, quanto mais protegidos esses dados, menor será o desempenho da conexão. Outras soluções de segurança, como antivírus e firewall, também devem estar sempre ativadas e atualizadas.
O primeiro passo ao montar uma rede de computadores é planejar a estrutura física da rede, ou seja, a localização do Switch, que é o equipamento responsável por distribuir o sinal da rede, e a localização e instalação do cabeamento da rede.




O Cabeamento

O cabeamento muitas vezes é negligenciado por grande parte dos instaladores de rede e em grande parte dos casos é o responsável por problemas na rede e até pane nos equipamentos, principalmente quando passados juntos ao cabeamento de energia elétrica, o que poderá causar grandes interferências na sua rede de computadores e, em caso de descargas elétricas mais sérias, afetará a sua rede podendo até danificar os equipamentos de forma grave.



Os cabos de rede nunca poderão seguir no mesmo conduíte da fiação elétrica e deve-se respeitar a distância mínima de 30 cm da mesma. Em muitos casos é viável utilizar o mesmo conduíte da rede telefônica interna para a passagem dos cabos de rede. É importante também observar a distância máxima entre os pontos de uma rede. Embora existam alguns casos onde a rede funciona em distâncias muito grandes, é recomendável respeitar o tamanho máximo do cabo entre cada ponto de rede de 100m. Isso garantirá que a sua rede não sofrerá com perdas de pacotes de dados o que consequentemente fará com que a sua rede funcione à uma velocidade muito baixa ou talvez nem funcione.

A crimpagem dos cabos

A crimpagem dos cabos de redes consiste na montagem dos conectores de rede de cada ponta do cabo que será ligada ao computador e ao Switch.



Os cabos de rede foram projetados para funcionar gerar a sua própria blindagem através de um campo eletromagnético gerado através do trançado de cada par. Quando eliminamos esse fator de blindagem crimpando os cabos de rede de forma incorreta, a nossa rede começará a sofrer interferências geradas por ela mesma e mais uma vez você terá uma rede lenta e com perda de pacotes de dados.



A sequência correta para crimpagem dos cabos segue abaixo:


Branco do Laranja

Laranja
Branco do Verde
Azul
Branco do Azul

Verde

Branco do Marrom
Marrom




O seu cabo de rede deverá ficar idêntico ao mostrado ao lado.
Configuração da Rede


Agora que você já sabe como cabear corretamente a sua rede e fazer a crimpagem dos cabos, é hora de configurar a sua rede para que ela funcione corretamente.



O primeiro passo para a configuração de uma rede de computadores é definir o protocolo utilizado por ela. Nesse post vamos pegar como exemplo a configuração através do protocolo TCP/IP que já vem instalado por padrão no Windows XP e na maioria dos sistema operacionais.



Para configurar o protocolo TCP/IP no Windows XP vá até o Painel de Controle e abra o ícone “Conexões de Rede”, ao abrir esse item você terá acesso à todas as conexões de rede disponíveis em seu computador, basta agora que você selecione o ícone referente à sua conexão de rede local, clique nesse ícone com o botão auxiliar do mouse (geralmente, o botão direito) e clique em “Popriedades”. Você verá então a seguinte tela:


Agora você deverá clicar duas vezes em cima da opção “Protocolo TCP/IP” para ter acesso à tela de configurações do protocolo de comunicação de sua rede como visto abaixo:

Agora deveremos marcar a opção “Usar o seguinte endereço IP” e preencher os espaços com os seguintes dados:




Endereço IP: 10.0.0.10

  • Este endereço é padrão para alguns ROTEADORES, mas existem outros padrões. Convém consultar o manual do ROTEADOR para verificar qual o endereço padrão que já vem programado no Roteador. Você também pode mudar esse endereço se quiser, mas para isso terá que acessar o moddem (O que está explicado no manual.) E alterar o seu endereço padrão.
Máscara de sub-rede: 255.255.255.0
Gateway padrão: (deixar em branco)


A sua caixa de configurações deverá ficar como mostrado abaixo:
Basta agora clicar no botão “OK” para sair das propriedades do protocolo TCP/IP e em “OK” novamente para sair da caixa de propriedades da sua rede local e a rede estará configurada no seu computador. Para completar a configuração nos demais computadores, siga exatamente os mesmos passos apenas modificando o último número do endereço IP de cada computador. Como exemplo, poderemos seguir a sequência a seguir:



Computador Endereço IP
01 10.0.0.10
02 10.0.0.11
03 10.0.0.12






Utilize essa configuração para todos os computadores que quiser, lembrando que o número máximo para o final do endereço IP deverá ser 254, ou seja, 10.0.0.254.


Se você possuir um roteador ADSL para acessar a internet, poderá deixar essa configuração automática, ou seja, deverá deixar marcada a opção “Obter um endereço IP automaticamente” ao invés de optar pela configuração manual do endereçamento IP da máquina.

SOMOS TODOS CHAPECOENSES