http://filotec.com.br

http://filosofiaetecnologia.blog.br
ECONOMIA TECNOLOGIA FILOSOFIA SAUDE POLÍTICA GENERALIDADES CIÊNCIA AUTOHEMOTERAPIA NOSSOS VÍDEOS FACEBOOK NOSSAS PÁGINAS

QUEREM ACABAR COM A APOSENTADORIA

quinta-feira, 15 de junho de 2017

ARMAÇÕES PARA INCRIMINAR LULA

No depoimento de Emilio Odebresht há uma declaração do ex-presidente do grupo Odebresht de que Lula o pediu para que ajudasse o PT. Lógicamente que se isso for comprovado, estará configurado o crime de corrupção passiva, pois a constituição estabelece que é vedado ao detentor de cargo público pedir alguma coisa a empresários. O simples ato de "PEDIR" já se constitui por si só CRIME, por mais que Emilio Odebresht diga que TODOS os políticos receberam, inclusive Fernando Henrique Cardoso, o que seria uma injustiça na visão do atual patriarca do grupo Odebresht, atribuir o crime a um só lado. 

Entretanto para quem está atento à entrevista, é de se perceber que ante o desconforto do eminente Empresário, há um momento em que o mesmo é intimidado com a frase que lhe adverte de que "pelo seu próprio bem ele decidira fazer aquela "COOPERAÇÃO", pois caso não o decidisse teria a mesma sorte do filho, o MARCELO ODEBRESHT que já se encontra preso a mais de dois anos e segundo os carrascos da PGR ficará ainda muito tempo.

Em certo momento é compungido a deixar de "HISTORINHAS". Diante disso chega-se a conclusão que a frase que atribui ao Lula o tal "PEDIDO" é uma pré condição para a manutenção da sua liberdade. Isso ao nosso ver uma clara COAÇÃO IRRESISTÍVEL e não se sustenta em provas.

O mesmo ocorre com a declaração de Leo Pinheiro do grupo OAS quando declara que Lula o pediu que destruísse provas, o que configura claramente obstrução à Justiça, mas o mesmo Leo Pinheiro foi pego em mentira quando declarou que o Triplex do Guarujá pertencia a Lula e depois foi-lhe mostrado que o mesmo fora oferecido como garantia de acordos da OAS, configurando que o mesmo pertencia à OAS. Fica evidente que a PGR tem oferecido propostas de acordos de abrandamento de pena para que os presos ou suspeitos façam alegações que venham a comprometer o Ex-Presidente Lula.


Agora mais recentemente aparece Joesley Batista declarando que constituiu uma conta no exterior que se destinava a repassar valores a Lula e Dilma, Ex-Presidentes da República. Declara ele que tal acordo foi feito com Mantega ao qual perguntou se Lula e Dilma sabiam ao que segundo declarações de Joesley Batista, o Ex-Ministro da Fazenda Guido Mantega, declarou que sabiam, repito segundo a declaração de Joesley Batista.




Na delação, Joesley Batista narrou que, em 2009, foi criada uma conta para receber os repasses relacionados a Lula e, no ano seguinte, outra foi aberta para envio de valores relacionados a Dilma. O empresário revelou que, em dezembro naquele ano, o BNDES adquiriu de debêntures da JBS, convertidas em ações, no valor de 2 bilhões de dólares, “para apoio do plano de expansão”.
 
“O depoente escriturou em favor de Guido Mantega, por conta desse negócio, crédito de 50 milhões de dólares e abriu conta no exterior, em nome de offshore que controlava, na qual depositou o valor”, relatou Joesley. Segundo o empresário, em reunião com Mantega, no final de 2010, o petista pediu a ele “que abrisse uma nova conta, que se destinaria a Dilma”. Nesse momento, disse o delator, foi perguntado a Mantega se Lula e Dilma sabiam do esquema. “Guido confirmou que sim”, disse ele.

Uma coisa que me chama a atenção é a disparidade de valores. A princípio disse que eram 150 milhões de dólares, depois disse que eram 80 milhões de dólares e agora são 50 milhões de dólares. Afinal, quanto foi?

O Lula sabia dessa conta? (Porque não estava em nome dele.) Tem recibos de saque? Quem recebeu? Para quem foi enviado? Tem gravação? Tem recibo? ESCREVEU? FOTOGRAFOU? FOI PUBLICADO NO NEW YORK TIMES?


sábado, 10 de junho de 2017

O MAL QUE OS REMÉDIOS PARA HIPERTENSÃO CAUSAM E COMO MELHORAR A HIPERTENSÃO SEM MEDICAMENTOS.


Medicamentos para hipertensão são drogas e como drogas, introduzem no nosso organismo efeitos que alteram o funcionamento natural dos nossos órgãos.  O ideal seria que perdêssemos peso, e tivéssemos hábitos saudáveis e alimentação saudável como iremos mostrar e deixássemos de consumir drogas.


-3 - Consuma regularmente cloreto de magnésio, ou magnésio dimalato.

O Magnésio é um sal mineral que falta na nossa alimentação natural e por isso merece ser consumido como um complemento. Compre capsulas de magnésio dimalato ou compre na farmácia o cloreto de magnésio e dissolva em água. O magnésio tem dois efeitos muito importantes sobre o corpo humano além de controlar outras 300 funções. Ele é um regulador do cálcio no nosso organismo, prevenindo osteoporose, e as artrites, artroses e bicos de papagaio que são causados por calcificações na coluna. Além disso é um potente antiarrítmico para o coração, propiciando o seu funcionamento regular e contribuindo para a redução da hipertensão.


-2 - Evite Glúten
O glúten está presente principalmente na farinha de trigo, isso porque o trigo não é na verdade mais o trigo real. É uma outra coisa, uma planta geneticamente modificada que não é mais o trigo tradicional. Essa variável do trigo que é o trigo transgênico contém 20 vezes mais glúten do que o trigo real. O glúten é uma massa que adere às paredes intestinais e vai produzindo resíduos que não são expelidos, e isso vai produzindo proliferação de bactérias dentro dos intestinos dando origem a maioria das doenças. /a nossa saúde começa nos intestinos.


-1 - Evite as gorduras trans.
Com exceção do óleo de coco que é saudável e que pode e deve ser consumido, todos os outros óleos de cozinha são prejudiciais, e contém porções de gordura trans. Portanto deve-se substituir o óleo de cozinha pelo óleo de coco. Mas as gorduras trans estão presentes também nos sorvetes, biscoitos e massas industrializadas. Evitar esses alimentos é saudável, optando-se por frutas e legumes de preferência orgânicos para evitar os agrotóxicos.


Para controlar nossa hipertensão é fundamental que evitemos hábitos prejudiciais como o cigarro e que procuremos melhorar nossa dieta e incluir alimentos que nos ajudem a depurar toxinas.

0 - Método tradicional chinês para baixar a pressão sanguínea.
pontos_pressao_sanguinea



Os métodos tradicionais chineses se baseiam nas conexões energéticas que partem de vários pontos de pressão no corpo até os demais órgãos.


Esta prática natural consiste em pressionar um pouco três pontos específicos para diminuir a pressão arterial em questão de minutos.

A linha do ponto 1 até o 2

Desde o ponto um até o dois, forma-se uma linha que vai desde a parte posterior do lóbulo da orelha até a clavícula.

Este pequeno trecho deve ser percorrido com uma leve pressão, usando as pontas dos dedos.

Realize o mesmo movimento umas 10 vezes de cada lado do pescoço, mais ou menos durante três minutos.

Ponto 3

Ao terminar de pressionar a linha do ponto 1 e 2, coloque a ponta dos dedos no ponto que está localizado a meio centímetro desde o lóbulo da orelha em direção ao nariz.
Em seguida, pressione com cuidado e faça uma massagem durante um minuto de cada lado.

Esta prática é muito eficaz quando a pressão se eleva por causa do estresse e de outros fatores emocionais.

No entanto, é importante deixar claro que seus efeitos variam para cada caso, e não substituem nenhum tratamento receitado pelo médico.




Não é tarde para começar a mudar costumes, para movermos um pouco mais e enfrentarmos o sedentarismo, para gerirmos muito melhor o estresse, deixar hábitos como o cigarro e, porque não, comer muito melhor.


Por nossa parte, propomos o seguinte: abra mão do consumo de sal e introduza estes 7 alimentos em sua dieta diária.

Se, além disso, você se animar a praticar exercícios, temos certeza de que em 15 dias desfrutará de uma pressão arterial mais equilibrada.

Vale a pena tentar.

1. A beterraba


Beterraba para diminuir a hipertensão

Tanto os nitratos quanto os nitritos presentes nas beterrabas são compostos básicos para o nosso sistema metabólico e, em geral, para regular nossa tensão arterial.

O óxido nítrico melhora a vasodilatação arterial. Daí que todos aqueles alimentos ricos em nitratos são maravilhosos para cuidar de nossa saúde cardiovascular.

A beterraba é, sem dúvidas, nossa melhor aposta, nossa melhor aliada para toda dieta que procure equilibrar a pressão.

Não deixe de consumi-la de forma natural em suas saladas ou em adequados sucos combinados com outras frutas como as maçãs ou inclusive as uvas. Delicioso!

2. O alho

Este dado é curioso: antes que o alho fosse esse ingrediente essencial em nossa cozinha, foi usado como medicamento.

O alho picado ou socado se usava exclusivamente na Grécia antiga, tanto para curar feridas tanto para reduzir a pressão arterial.

O alho também reduz o colesterol, graças às suas lipoproteínas de baixa densidade (LDL).

Não há nada mais saudável do que consumir um dente de alho em jejum!

3. O ácido graxo ômega 3


Alimentos para diminuir a hipertensão



O óleo de peixe, o abacate ou o azeite de oliva extra virgem são alimentos ricos em ácidos graxos naturais ômega 3.

Este tipo de gorduras “saudáveis” são grandes artífices de uma boa saúde cardíaca.

Nos ajudam a ter vasos sanguíneos mais fortes e elásticos, melhorando assim nossa circulação sanguínea para evitar os picos que derivam na hipertensão.

Sabe-se que o ácido ômega 3 docosahexaenoico de cadeia larga (DHA) é imprescindível na dieta das pessoas hipertensas.

Assim, não descuide de consumir salmão para jantar, temperar as saladas com óleo de linhaça ou azeite de oliva e incluir um punhado de nozes em seu café da manhã.

4. A couve galega contra a hipertensão


Seu sabor é intenso, é preciso mastigá-la bem e não é do agrado de todo mundo. Porém, é conveniente incluí-la semanalmente em nossa alimentação.


A couve galera é um dos poucos “superalimentos” que por si só ganha esse apelido. Dispõe de mais vitaminas, minerais e antioxidantes do que o espinafre.


Porém, a razão pela qual a couve galera pode reduzir a pressão arterial alta é devido ao seu perfil nutritivo: é muito rica em magnésio, potássio e vitamina C.


Todos esses componentes vão nos ajudar a regular nossa hipertensão.


5. A aveia

A aveia é um cereal fabuloso, rico em fibra, pobre em gordura e, além disso, com pouquíssimo sódio, um mineral que tende a reduzir nossa pressão arterial.


A aveia, assim como sua farinha, é maravilhosa para incluir diariamente em nossa dieta, seja no café da manhã ou tirando proveito dela através de seus pães, biscoitos…


Combine-a com mel e com frutas deliciosas e cuide-se muito melhor!

6. As bananas


Banana para diminuir a hipertensão



Em apenas uma banana encontramos um altíssimo nível de potássio. De fato, se comermos uma por dia, disporemos quase de 10% do valor diário recomendado deste mineral.
Como já sabe, o potássio é imprescindível para manter nossa saúde renal em bom estado.

Enquanto que o sódio nos inflama e aumenta o nível de líquidos acumulados, o potássio favorece uma correta circulação sanguínea, além de um bom efeito diurético.

Também não podemos nos esquecer de que as bananas nos dão energia, assim…. Porque não comê-las com mais frequência?

7. O iogurte natural


Iogurte para diminuir a hipertensão



O iogurte, para surpresa de muitos, dispõe de dois componentes ideais para tratar a hipertensão: cálcio e probióticos.

Uma deficiência de cálcio pode aumentar a curto prazo a pressão sanguínea; algo tão fácil como incluir um iogurte em nossa dieta pode fazer com que obtenhamos cálcio e, antes de tudo, probióticos.

Uma flora intestinal forte e saudável nos ajuda a absorver melhor os nutrientes e a ter um sangue livre de toxinas para favorecer assim uma boa circulação.

Não deixe de seguir estes conselhos para ver resultados em 15 dias.

Inclua estes alimentos em sua dieta e lembre-se de fazer check ups periódicos para combater este assassino silencioso: a hipertensão.

sexta-feira, 9 de junho de 2017

A GRAMOURIZAÇÃO DA FIGURA DO GANGSTER


Vamos iniciar essa matéria fazendo uma afirmação 100% verdadeira. Essa afirmação eu vou colocar abaixo em letras garrafais para que fique bem claro.

"O CRIME NÃO COMPENSA"

Fazemos essa afirmação porque acompanhamos a vida de diversas pessoas que se envolveram com crimes e  o resultado foi que depois de um período, mesmo aquelas pessoas que pareciam que iriam ter um retorno com uma atividade criminosa acabaram por sucumbir, a uma lei que não é humana. É uma lei universal. A lei do retorno. Todos colhem o que plantam. Se alguém planta amor, vai colher amor. Se planta o mal seja de que forma for, vai colher o mal de alguma forma.

Entretanto os anos 70 no Brasil foram os anos em que a atividade criminosa, mais especificamente a atividade criminosa mais ligada a um comportamento mafioso se tornou glamourizada.

Em 1972, ficou muito famoso o filme que ganhou todos os Oscars daquele período e que foi uma espécie de manual.

Você pode baixar o filme "O PODEROSO CHEFÃO" ou "O PADRINHO" no link abaixo direto do nosso Google Drive, aqui.



O filme era um manual para os políticos e empresários que naqueles momentos enveredavam por uma senda de comportamentos mafiosos, seja na vida pública como políticos ou como empresários. Eram anos de ditadura militar. O Sr. Paulo Maluf era prefeito de São Paulo e oferecia um carro zero kilometro para cada jogador campeão do mundo.

Entretanto o próprio filme nos mostra que o crime não compensa apesar de parecer divinizado em certo momento. O fim dos protagonistas das ações criminosas no filme é uma demonstração das leis universais.

Maluf era o prefeito da cidade de São Paulo e na euforia da conquista do tricampeonato mundial de futebol pela seleção brasileira ele resolveu presentear cada jogador com o que era, na época, um dos orgulhos da indústria automobilística nacional — um fusca. Sua generosidade foi contestada em Ação Popular movida pelo advogado Lopes Enei. Cada um dos 25 carrinhos é avaliado, em dinheiro de hoje, em R$ 25 mil. 
O primeiro recurso sobre o caso (RE 77.205) chegou ao STF ainda em meados da década de 70. Na ocasião, o tribunal acolheu as razões da Ação Popular, entendendo que o ato foi lesivo aos cofres do município, pois havia sido baseado em uma lei que não respeitou o quorum mínimo para aprovar a doação dos carros. 
Além disso, não se teria atendido ao requisito do interesse social da comunidade. Em 1983, Paulo Maluf ajuizou Ação Rescisória no Supremo para desconstituir a decisão anterior. O primeiro resultado só saiu em 1995 e foi favorável ao ex-prefeito. 
Por maioria, o STF entendeu que a ação de Maluf era procedente. O argumento vencedor baseou-se na Constituição de 1969, que não previa o Recurso Extraordinário quando uma lei federal era violada por meio de uma lei local. A Corte entendeu que a decisão anterior foi baseada apenas em análise de normas locais e, por isso, merecia ser revogada. 
Posteriormente, o autor da Ação Popular recorreu por meio de embargos infringentes, que foram a julgamento em 2002. O relator da questão na ocasião, ministro Néri da Silveira, votou pela manutenção da condenação de Maluf a ressarcir os cofres públicos e foi acompanhado pela ministra Ellen Gracie. No entanto, a maioria manteve o julgamento anterior da Ação Rescisória, que beneficiou o ex-prefeito.


Você pode baixar o filme "O PODEROSO CHEFÃO" ou "O PADRINHO" no link abaixo direto do nosso Google Drive, aqui.

https://drive.google.com/open?id=0B9vXUsELhh_GdTdxZGdBekZtVGc

Paralelamente ficou no imaginário popular uma frase atribuída a um jogador campeão do mundo, no caso Gerson que usou uma frase infeliz ao afirmar que gostava de levar vantagem em tudo. Veja o vídeo abaixo.


Certamente só pelo fato de estar fumando, Gerson já não estava levando vantagem em tudo, mas essa frase ficou cunhada no imaginário popular.

A ditadura militar propiciava o avanço da corrupção pois ninguém podia contesta-la e assim os empréstimos irrigavam o chamado "MILAGRE BRASILEIRO", deixando muitas porcentagens nas contas de muitos tomadores de empréstimos do exterior.

O casamento harmonioso das empreiteiras envolvidas na operação Lava Jato com as obras públicas é mais antigo do que muitos pensam: começou no governo Juscelino Kubitschek (1955-1960) e teve sua “lua-de-mel” na ditadura militar (1964-1985). Essa é a análise de especialistas ouvidos pelo UOL e que fizeram uma retrospectiva sobre a história das empreiteiras no Brasil.

Autor da tese de doutorado “A ditadura dos empreiteiros”, o historiador Pedro Campos avalia que, no regime militar, as empreiteiras começaram a se nacionalizar e se organizaram, ganhando força no cenário político e econômico. Para isso, elas criaram associações e sindicatos.

“Até a década de 50, eram construtoras que tinham seus limites no território do Estado ou região. O que acontece de JK pra cá é que eles se infiltraram em Brasília”, explica Campos, professor do Departamento de História e Relações Internacionais da UFRRJ (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro). 
CONSTRUÇÃO DE BRASILIA.

A construção de Brasília, fundada em 1961, foi um marco para a história das construtoras: foi a partir de então que elas se uniram. “Ali, reuniram-se empreiteiras de vários Estados e começaram a manter contato, se organizar politicamente. Depois, passaram pelo planejamento da tomada de poder dos militares e pautaram as políticas públicas do país.”

Com a chegada ao poder dos militares, as empreiteiras passaram a ganhar contratos do governo muito mais volumosos que os atuais. “Se eles era grandes, cresceram exponencialmente no regime militar. Se elas hoje são muito poderosas, ricas e têm um porte econômico como construtoras, posso dizer que elas eram maiores. O volume de investimentos em obras públicas era muito maior. Digamos que foi uma lua-de-mel bastante farta e prazerosa”, comentou.
A CONSTRUÇÃO DA PONTE RIO NITERÓI CUSTOU MAIS DE 100 VEZES O VALOR PROJETADO

Entre as centenas de obras feitas no período miliar, há casos emblemáticos como a ponte Rio-Niterói, que foi feita por um consórcio que envolveu Camargo Corrêa e Mendes Junior entre 1968 e 1974. Já a Hidrelétrica Binacional de Itaipu, que teve o tratado assinado em 1973 e foi inaugurada em 1982, foi feita pelas construtoras Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e Mendes Júnior. As mesmas Mendes Júnior e a Camargo Corrêa Transamazônica, que começou em 1970 foi inaugurada, incompleta, em 1972.

A INAUGURAÇÃO DA INEXISTENTE E CARÍSSIMA TRANSAMAZÔNICA.

Apesar de denúncias de pagamento de propina terem sido escancaradas com a operação Lava Jato da Polícia Federal, o historiador acredita que a corrupção envolvendo empresários da construção e políticos é antiga.

“Todos os indícios são de que a corrupção não aumentou. O que a gente tem hoje é uma série de mecanismos de fiscalização que expõe mais, bem maior do que havia antes. Na ditadura não tinha muitos mecanismos fiscalizadores, e que o havia era limitado”, afirmou.

O DESPERDÍCIO DE DINHEIRO COM A CONSTRUÇÃO DAS USINAS NUCLEARES.

Por Pablo Villaça, em seu Facebook
“Há algo de podre no reino da Petrobrás”, diria Marcellus a Horácio ao ler os relatos da Lava-Jato. E estaria correto. Há algo de podre, de profundamente corrompido na estatal.
Negar isso é tolice.

Mas tolice ainda maior é sugerir, como FHC e Aécio Neves vêm tentando fazer, que isto é obra do PT e do governo Dilma. Pois não, não é: como o jornalista Ricardo Boechat lembrou recentemente, chegou a vencer um prêmio Esso ao denunciar roubos na Petrobrás – em 1989. 

Já na década de 90, durante a gestão de FHC, o jornalista Paulo Francis foi processado pela diretoria da Petrobrás ao denunciar roubos na estatal – em vez de investigar o que estava havendo, o então presidente limitou-se a tentar apaziaguar os ânimos ao pedir que os diretores desistissem do processo. (A propósito: Francis errou ao denunciar sem provas. Tampouco compartilho da opinião de que sua morte seja responsabilidade moral daqueles que o processaram. Ainda assim, resta a passividade de FHC.) 

Como se não bastasse, Paulo Roberto Costa, longe de ser “cria” do PT, era funcionário de carreira da Petrobrás desde 1978 – e começou a ocupar cargos de diretoria ainda na gestão de FHC.

(Não, não estou acusando Cardoso de ser cúmplice ou mesmo de estar ciente do que ocorria na Petrobrás; estou apenas pontuando que a trajetória de Costa é antiga.)

Enquanto isso, a outra ponta desta história, que envolve o doleiro Youssef, é ainda pior para os tucanos: além de ter envolvimento antigo com lavagem de dinheiro através do ESTATAL Banestado durante o governo FHC (segundo a Foxlha, “o maior escândalo já investigado no Brasil sobre remessas ilegais”), Costa foi beneficiado pela delação premiada pelo mesmo juiz Moro que agora conduz a Lava-Jato e viu vazamentos específicos de depoimentos de Costa ocorrerem durante as eleições sem fazer nada para impedi-los – o que se torna ainda pior quando sabemos que ele tem ligações com um deputado do PSDB.

Não é à toa que o procurador-geral da República afirmou, em entrevista recente, que a investigação foi usada para manipular as eleições, já que – outra incrível coincidência – o advogado de Youssef foi nomeado para o conselho administrativo da Sanepar sob indicação de Beto Richa, governador do (adivinhem!) PSDB.

Por outro lado, há boas notícias: graças a uma lei sancionada por Dilma no início do ano, desta vez não apenas a roubalheira está sendo investigada (e vale lembrar que foi na gestão dela que Paulo Roberto Costa finalmente foi demitido) como os CORRUPTORES finalmente estão sendo presos.

Aliás, é fundamental notar que não é um acaso o fato de as quatro principais empreiteiras do país – e cujos diretores encontram-se presos – terem doado fortunas a praticamente todos os partidos, comprovando a urgência da Reforma Política e da implementação do financiamento público das campanhas. Tampouco é surpresa que o partido que mais recebe doações destas “quatro irmãs” seja o PSDB.

É curioso notar, por exemplo, que das 9 empreiteiras envolvidas na Lava-Jato, SEIS financiaram a campanha de Aécio (9) – e é igualmente fundamental observar que CINCO delas dividiram as obras da Cidade Administrativa, obra absurda e desnecessária que Aécio empurrou sobre os mineiros, num custo superior a 2 BILHÕES de reais, em vez de investir em obras de infra-estrutura que realmente beneficiariam o estado. Aliás, estranhamente dois prédios IDÊNTICOS acabaram sendo construídos por dois consórcios DIFERENTES, o que é inexplicável.

Enquanto isso, FHC, que se diz “envergonhado” diante das notícias sobre a Petrobrás (embora não tenha investigado as denúncias feitas em sua época, já que tudo era engavetado), não se mostra embaraçado diante do fato de uma das empreiteiras da Lava-Jato ter feito um aeroporto “de presente” em sua fazenda.

O que está acontecendo agora é, ao mesmo tempo, fantástico e vergonhoso. Fantástico por FINALMENTE trazer à baila uma corrupção sistêmica antiga que consumia a Petrobrás (cujo valor é tão importante para os brasileiros que, apesar de tudo, ainda se tornou uma das maiores e mais lucrativas empresas do mundo nos últimos 12 anos) e investigar corruptores; vergonhoso por estar sendo usada politicamente por uma oposição que simplesmente não tem condições morais e históricas de posar de virtuosa – como já demonstrei acima. Ao contrário: esta oposição deveria se sentir constrangida por jamais ter feito nada para coibir os roubos que agora estão sendo expostos.

Em vez disso, prefere se esforçar para impedir que a presidenta recém-eleita governe, prejudicando, com isso, todo o país em função de seu rancor por terem perdido as eleições – e é trágico ver Aloysio Nunes, um SENADOR e ex-candidato a VICE-PRESIDENTE, ir a um ato público no qual pedidos de golpe militar são disparados.

Porque, ao contrário do que os reacionários gostam de dizer para justificar seu golpismo, o PT JAMAIS pediu o impeachment de FHC, pois sabia que deveria respeitar a voz do povo, por mais que desta discordasse.

Democracia não é só saber governar; é também permitir que se governe quando se perde uma eleição. Pelo visto, o PSDB não sabe fazer nem uma coisa nem outra.
Triste.


quinta-feira, 8 de junho de 2017

ÓDIO AO LULA.


Resultado de imagem para LULA o caraO ódio é mau conselheiro e nesses tempos de ódio é de se perguntar porque as pessoas odeiam o Lula. Normalmente é por causa do que alguém disse, mas não por causa do que foi provado, entretanto por trás disso está o ódio de classes. As pessoas podem dizer que não tem preconceito, mas ele existe e está oculto, e se manifesta nesse ódio coletivo.


Os números impressionam. 

O maior crescimento do PIB em 500 anos de existência do Brasil foi no Governo Lula.


As reservas externas em dólares Brasileiras deslancharam no Governo Lula.


O desemprego teve a maior diminuição da história mundial, em termos de velocidade na redução da taxa.


O salário mínimo subiu, a inflação diminuiu. A taxa de juros reduziu-se.

Ocorreu a maior redução da desigualdade social vista nas ultimas década em termos de mundo.



Desenvolvido pelo matemático italiano Corrado Gini, o Coeficiente de Gini é um parâmetro internacional usado para medir a desigualdade de distribuição de renda entre os países.

O coeficiente varia entre 0 e 1, sendo que quanto mais próximo do zero menor é a desigualdade de renda num país, ou seja, melhor a distribuição de renda. Quanto mais próximo do um, maior a concentração de renda num país.

O Índice de Gini do Brasil é de 0,490 (ano de 2014) o que demonstra que nosso país, apesar dos avanços econômicos dos últimos anos, ainda tem uma alta concentração de renda. Porém, devemos destacar um avanço do Brasil neste índice, já que em 2008 era de 0,544.

Todos os países do mundo tentam entender o que o Lula fez com o Brasil, e por isso Lula fez inúmeras palestras. Mais de 5000 teses de Doutorado em Economia no mundo abordam o fenômeno LULA.



Obama fez o comentário em uma roda de líderes mundiais, pouco antes do início da reunião do G20, em uma sala de conferência do Excel Center, em Londres.

Um vídeo da BBC registra a cena em que os dois se cumprimentam. Obama troca um aperto de mãos com o presidente brasileiro, olha para o primeiro-ministro da Austrália, Kevin Rudd, e diz, apontando para Lula: "Esse é o cara! Eu adoro esse cara!".

Em seguida, enquanto Lula cumprimenta Rudd, Obama diz, novamente apontando para Lula: "Esse é o político mais popular da Terra".

domingo, 4 de junho de 2017

PORQUE TANTOS DESEMPREGADOS. PORQUE A SAÚDE PÚBLICA É PÉSSIMA E A EDUCAÇÃO PÚBLICA É PIOR NO BRASIL.


Com o advento da tecnologia, e a progressiva redução do mercado de trabalho devido à tenologia, seria de se esperar que ocorresse uma progressiva redução também da jornada de trabalho. Isso seria bastante razoável porque empresas que antes precisavam de sessenta funcionários para gerir suas atividades, hoje podem gerir suas atividades com apenas seis funcionários.






Então o que deveria servir para beneficiar o homem, gerando mais emprego e mais tempo livre, passa a ser utilizado por pessoas inescrupulosas que querem se aproveitar das conquistas tecnologicas para auferir mais lucro, sem se importar com o aumento do desemprego.

O NEOLIBERALISMO pretende que todo o recurso público seja destinado aos interesses da classe empresarial, sem se preocupar com o povo e os trabalhadores. Partem da premissa de que o estado deve diminuir de tamanho e parara de promover o chamado "BEM ESTAR SOCIAL", canalizando todo recurso público ao interesse dos capitalistas.

Dentro dessa linha de raciocínio o estado deve privatizar toda e qualquer empresa estatal e deixar de investir em saúde, educação e aposentadorias. Dessa forma precisaria arrecadar quase nada o que diminuiria a carga de impostos deixando os empresários cada vez mais ricos.

O dinheiro economizado dessa forma pode ser direcionado ao financiamento de projetos do interesse dos empresários, empréstimos generosos para suas empresas e pagamento de juros especulativos aos detentores do capital.

O "POVO", bem, o "POVO" é um mero detalhe.


A alta taxa de juros é um dos principais fatores do Custo Brasil. “A taxa de juros tem um reflexo no conjunto da economia, porque ela é referência de lucro”, afirmou Odilon Guedes. Além disso, o professor pontuou a questão do custo de oportunidade, quando o investidor prefere investir no mercado financeiro ao invés da produção. “Por que investir na produção se eu posso ganhar dinheiro no banco?”
Fábio Gallo lembrou que a taxa de juros no Brasil é a mais alta do mundo, e Bernardini apontou que os juros custaram ao país uma média de 6% do PIB ao ano, na última década. Em muitos países, os juros giram em torno de 2,5%. “Na maioria dos paises do mundo, que tem uma dívida maior sobre o PIB do que o Brasil, paga-se menos da metade do que o Brasil paga com uma dívida que é a metade do valor da dívida dos outros países.”
Este alto gasto com os juros da dívida acabam desviando recursos que poderiam ser investidos em áreas fundamentais para reduzir o próprio Custo Brasil. Segundo Odilon Guedes, “de 2000 a 2007, dados do IPEA, o Brasil pagou de juros R$ 1,157 trilhão, e investiu R$ 98 bilhões”.

A CAUSA DE TUDO ISSO DENOMINA-SE NEOLIBERALISMO


A implantação do neoliberalismo, na maioria dos países, coincidiu com um período histórico de crise do capitalismo. Neste sentido, a visão neoliberal de mercado tomava força, na medida em que a população se mostrava descrente com as formas correntes de governo, principalmente aquelas calcadas no modelo do bem estar social. 

Na chamada década perdida, o Brasil enfrentava estes problemas com a adoção de medidas que funcionaram mais como paliativos do que propriamente como solução para os seus verdadeiros problemas econômicos e sociais – como exemplo, os indexadores da economia. Portanto, fica evidenciado que as raízes neoliberais brasileiras vêm a reboque também de uma situação econômica desfavorável e um sentimento de impotência da sociedade brasileira para resolução de seus problemas. De acordo com OLIVEIRA (1996:28), “(...) a destruição da esperança e a destruição das organizações sindicais, populares e de movimentos sociais (...)” é a maior letalidade conseguida pelo ideário neoliberal. Observemos, portanto, que mesmo antes da implantação de políticas neoliberais propriamente ditas, já se anunciava um quadro preparatório para a execução do mesmo. Este quadro traduziu-se no governo de José Sarney, que segundo alguns críticos mais severos, conseguiu “segurar” a economia brasileira, favorecendo a eleição de seu sucessor, Fernando Collor de Mello, que efetivamente iniciou as transformações mais significativas nos âmbitos sociais, econômicos, etc. A partir da ascensão deste político ao poder e com as bases para a implantação do ideário formadas, percebe-se uma mudança de rumos para a economia nacional. 

JOSÉ SARNEY
Ainda no Governo de José Sarney (1985-1989), vários planos econômicos foram postos em prática com o fito de preparar a economia brasileira para as transformações que estavam por vir: Plano Cruzado (1985), que estabelecia uma nova moeda, o Cruzado; o chamado gatilho salarial; a criação do seguro-desemprego; fim dos subsídios fiscais; desindexação geral de preços e salários com a livre negociação; projetos de privatização das empresas estatais, cujos recursos seriam destinados a redução do déficit público; manutenção da moratória dos juros da dívida externa, abrindo em contrapartida, o mercado nacional a economia mundial. Em seguida, os Planos Bresser (1987) e Verão (1989).(3) 

Após estes planos e a chamada redemocratização do Brasil, temos a primeira eleição direta para presidente após o período da ditadura. O candidato Luiz Inácio Lula da Silva, do PT e Fernando Collor de Melo, do PRN, foram para o 2º turno das eleições. O primeiro candidato, apoiava-se em um programa de governo com raízes socialistas e sindicais, refletindo o passado de Lula – como ex-deputado federal e ex-líder sindical do ABC paulista – e do próprio partido, que nasceu em fins dos anos 70, nesta efervescência política. O segundo candidato, que fora governador do estado de Alagoas, no nordeste brasileiro, apoiava-se em um plano de governo chamado de Brasil Novo. O seu partido, da Reconstrução Nacional foi fundado especialmente para as eleições de 89 e não tinha praticamente nenhuma participação no poder legislativo, o que poderia evidenciar uma “fraqueza” deste partido, caso vencesse as eleições, de conduzir e aprovar projetos no Congresso. Porém, houve uma grande mobilização de empresários, partidos de direita (PMDB, PFL, PSDB, etc.) e da mídia em geral, a favor de Collor, em função do grande medo de uma virada à esquerda do Brasil, caso Lula vencesse. A opinião pública foi então manipulada, transmitindo para a população o risco que o Brasil corria, caso Lula vencesse, de se transformar em um país comunista, relegado na economia mundial e imerso em uma “baderna” sem fim (4). 

Fernando Collor venceu as eleições de 1989 e deu início as “reformas” no Estado brasileiro. Neste sentido, o ideário neoliberal brasileiro seria direcionado para os seguintes pontos: implantação de um amplo programa de privatizações, controle dos gastos públicos, controle das taxas de inflação, aumento da taxas de juros, desregulação dos mercados, estabilidade econômica e, como resultado, a retomada do crescimento. 

Neste início de governo, o primeiro pacote econômico já dava um duro golpe na economia, quando “seqüestrava” os saldos bancários acima de um determinado limite; aumentava drasticamente as taxas de juros, limitando a liberação de créditos e iniciava as privatizações, com o intuito de desacelerar a economia e conter a inflação, na base de decretos e medidas provisórias. A tão almejada estabilidade econômica, porém, veio a acontecer somente no governo de Itamar Franco (1992-1994), com a adoção do Plano Real, em meados de 1994. (5). 

Estas medidas eram anunciadas como a “salvação” da economia brasileira, que “em tempos de globalização”, necessitava inserir-se no mercado mundial, com o intuito de recuperar a credibilidade do país no exterior, possibilitando a atração de capitais que alavancariam a economia. As experiências de outros países eram usadas como exemplos concretos da necessidade urgente destas reformas – obviamente que os resultados pouco animadores de outros países não eram levados em consideração - , contando com o apoio maciço dos órgãos de imprensa. Este apoio foi preponderante para a adoção de medidas pouco populares e principalmente na tentativa de descaracterizar as empresas estatais e transformar suas vendas em meros artifícios para se realizarem os ajustes econômicos necessários, que trariam extensos benefícios futuros. 

O governo de Fernando Collor decolou seu ambicioso plano de privatizações, com a criação do PND (Plano Nacional de Desestatização), e o leilão de grandes siderúrgicas logo no início de seu mandato, na tentativa de passar uma imagem de “força” do Governo Federal, para a implantação de todas as medidas anunciadas. Tal plano foi estendido e ampliado nos governos subsequentes, como será discutido na próxima seção. 

Mas é relevante demonstrar, neste caso, que o neoliberalismo no Brasil faz parte de um conjunto de reformas a nível mundial, sendo a sua implementação no país apenas mais uma peça do importante “jogo” de forças do capitalismo mundial (6) . Leve-se em conta, ainda, a pressão de organismos supranacionais sobre o Brasil, como o FMI, BIRD, Banco Mundial, levada até o fim com a ameaça de supressão de créditos internacionais e dos refinanciamentos da dívida externa, que colocava o governo brasileiro na berlinda, obrigado a aceitar, sem contestações mais aprofundadas, todas as imposições destes órgãos. 


3 - Privatizações Brasileiras na década de 90 

As empresas estatais foram criadas, a partir dos anos 30, no Brasil, para suprirem deficiências dos setores produtivos e de mercado, visando posteriormente o crescimento do setor privado. Existiam falhas e nós críticos para o desenvolvimento da economia brasileira, principalmente nos setores de infra-estrutura básica, onde os investimentos de capital eram muito altos e o retorno muito demorado, desestimulando o investimento do setor privado (PINHEIRO e OLIVEIRA FILHO-1991). A partir de então, temos sucessivos aumentos da participação estatal na economia como um todo, inclusive estatizando empresas privadas que estavam em dificuldades financeiras para manterem-se os níveis de renda e emprego da população. 

É também importante perceber, que o Brasil carecia de energia, infra-estrutura básica e bens manufaturados primários (aço, por exemplo) e a partir da supressão deste “gargalo”, a iniciativa privada poderia utilizar-se destes produtos para a industrialização dos bens de consumo (7). 

Na medida em que as estatais se modernizaram e ampliaram seus investimentos em subsidiárias, com produtos e serviços muitas vezes diferentes da matriz inicial, a concorrência com o setor privado passou a ser irreversível. É relevante notar que a partir do momento em que as estatais brasileiras passaram a ter logísticas de mercado e atuarem com cronogramas e propostas análogas à iniciativa privada, as críticas ao setor estatal passaram a ser mais contundentes (BIONDI-1999). 

No governo de Figueiredo (1979-1984), expõem-se as primeiras tentativas de contenção da ampliação do setor estatal através de decretos e subordinação das estatais ao Ministério do Planejamento. Apesar disso, passando pelo governo de José Sarney, foram muito tímidas as privatizações, apesar de alguns ajustes terem sido efetuados no sentido de preparar o setor estatal para a desestatização (em particular, nesta última administração). Somente no governo de Fernando Collor, o Brasil lançou-se a um ambicioso plano de privatizações, com a criação do Programa Nacional de Desestatização (PND). 

Em acordo com as teorias neoliberais, os mentores do PND julgaram que: 


“ um Estado inchado e sem qualquer flexibilidade, excessivamente controlador e burocrático.(...) Além de esgotar-se a sua capacidade de poupança, comprometendo a sua capacidade de investimento, levou-o a um endividamento crescente ao longo dos anos, culminando com a crise fiscal que ora é observada.” (MATOS FILHO e OLIVEIRA, 1996:11). 

A estratégia adotada pelo PND (8), partia do princípio de que deveria-se privatizar primeiramente as empresas de caráter industrial, sendo recomendados à Presidência da República três principais setores industriais: siderurgia, petroquímica e fertilizantes (9). A partir de recomendações das consultorias contratadas, decidiu-se por privatizar as siderúrgicas separadamente, ordenando as privatizações das empresas petroquímicas por pólos e as de fertilizantes individualmente. Neste sentido, durante toda a década de 90, o Brasil lançou-se em seu programa de privatizações e, em 1996, várias empresas já haviam sido privatizadas. 

Como demonstra o Quadro 01, em 1996 o Brasil já havia leiloado quarenta empresas estatais, liquidado treze, sendo que quinze outras estavam sendo avaliadas por consultorias para venda. Percebe-se ainda, que todo o setor de siderurgia – no qual encontra-se a Açominas – já havia sido desestatizado. 

Vale ressaltar para o setor mínero-siderúrgico, que os editais de privatização permitiam a participação dos funcionários das estatais em seus leilões de privatização – mais especificamente 10% do capital social total - (PINHEIRO E OLIVEIRA FILHO-1991:39). A partir desta prerrogativa, em todas elas houveram significativos montantes de capital oriundos dos fundos de pensão dos próprios dos funcionários das estatais, na compra de ações das empresas. Porém, quase imediatamente após a venda, as ações das ex-estatais atingiam aumentos consideráveis em seus valores na bolsa, estimulando os funcionários a se desfazerem de seus papéis, buscando realizar lucros imediatos. Em geral, estas ações eram compradas pelo grupo majoritário da empresa, que aumentava substancialmente seu peso nos Acordos de Acionistas. O caso da privatização da Açominas, que será explicitado no capítulo seguinte, é talvez o único em que os funcionários mantiveram sua participação acionária e até mesmo, por um breve momento, atuaram como controladores da empresa. 

Mas, diferentemente do que era pregado pelos Governos Federais na década de 90, as grandes estatais não davam prejuízos e muito menos prestavam serviços de baixa qualidade à população. Segundo QUEIRÓS (2001), as empresas estatais geravam lucros e investiam de acordo com seu próprio capital, não necessitando, para isso, onerar os cofres públicos, mesmo quando apresentavam prejuízos. Além disso, as empresas estatais tiveram uma função social importantíssima no período em que o país atravessava sua mais séria crise econômica. Segundo BIONDI (1999:21), o Governo, que “administrava” as estatais, passou ao congelamento compulsório dos preços e tarifas, principalmente no caso do aço, como forma de baratear os custos das outras indústrias nacionais, como a automobilística e de eletrodomésticos, aumentando as exportações , ou, no mínimo, impedindo um aumento nas importações, “equilibrando” a balança comercial brasileira. Portanto, durante anos, as estatais registravam prejuízos em seus balanços, em função desta política, onerosa para as estatais, mas importantíssima para a economia do Brasil.

LULA
NUMEROS DO GOVERNO LULA
Entre 2002 (Ultimo ano do governo FHC) e 2013 (Penultimo ano do primeiro governo DILMA). (Lula governou entre 2003 a 2010).

1. Produto Interno Bruto:

2002 – R$ 1,48 trilhões
2013 – R$ 4,84 trilhões

2. PIB per capita:
2002 – R$ 7,6 mil
2013 – R$ 24,1 mil

3. Dívida líquida do setor público:
2002 – 60% do PIB
2013 – 34% do PIB

4. Lucro do BNDES:

2002 – R$ 550 milhões
2013 – R$ 8,15 bilhões

5. Lucro do Banco do Brasil:
2002 – R$ 2 bilhões
2013 – R$ 15,8 bilhões

6. Lucro da Caixa Econômica Federal:
2002 – R$ 1,1 bilhões
2013 – R$ 6,7 bilhões

7. Produção de veículos:
2002 – 1,8 milhões
2013 – 3,7 milhões

8. Safra Agrícola:
2002 – 97 milhões de toneladas
2013 – 188 milhões de toneladas

9. Investimento Estrangeiro Direto:
2002 – 16,6 bilhões de dólares
2013 – 64 bilhões de dólares

10. Reservas Internacionais:
2002 – 37 bilhões de dólares
2013 – 375,8 bilhões de dólares

11. Índice Bovespa:
2002 – 11.268 pontos
2013 – 51.507 pontos

12. Empregos Gerados:
Governo FHC – 627 mil/ano
Governos Lula e Dilma – 1,79 milhões/ano

13. Taxa de Desemprego:
2002 – 12,2%
2013 – 5,4%

14. Valor de Mercado da Petrobras:
2002 – R$ 15,5 bilhões
2014 – R$ 104,9 bilhões

15. Lucro médio da Petrobras:
Governo FHC – R$ 4,2 bilhões/ano
Governos Lula e Dilma – R$ 25,6 bilhões/ano

16. Falências Requeridas em Média/ano:
Governo FHC – 25.587
Governos Lula e Dilma – 5.795

17. Salário Mínimo:
2002 – R$ 200 (1,42 cestas básicas)
2014 – R$ 724 (2,24 cestas básicas)

18. Dívida Externa em Relação às Reservas:
2002 – 557%
2014 – 81%

19. Posição entre as Economias do Mundo:
2002 – 13ª
2014 – 7ª

20. PROUNI – 1,2 milhões de bolsas

21. Salário Mínimo Convertido em Dólares:
2002 – 86,21
2014 – 305,00

22. Passagens Aéreas Vendidas:
2002 – 33 milhões
2013 – 100 milhões

23. Exportações:
2002 – 60,3 bilhões de dólares
2013 – 242 bilhões de dólares

24. Inflação Anual Média:
Governo FHC – 9,1%
Governos Lula e Dilma – 5,8%

25. PRONATEC – 6 Milhões de pessoas

26. Taxa Selic:
2002 – 18,9%
2012 – 8,5%

27. FIES – 1,3 milhões de pessoas com financiamento universitário

28. Minha Casa Minha Vida – 1,5 milhões de famílias beneficiadas

29. Luz Para Todos – 9,5 milhões de pessoas beneficiadas

30. Capacidade Energética:
2001 – 74.800 MW
2013 – 122.900 MW

31. Criação de 6.427 creches

32. Ciência Sem Fronteiras – 100 mil beneficiados

33. Mais Médicos (Aproximadamente 14 mil novos profissionais): 50 milhões de beneficiados

34. Brasil Sem Miséria – Retirou 22 milhões da extrema pobreza

35. Criação de Universidades Federais:
Governos Lula e Dilma – 18
Governo FHC – zero

36. Criação de Escolas Técnicas:
Governos Lula e Dilma – 214
Governo FHC – 0
De 1500 até 1994 – 140

37. Desigualdade Social:
Governo FHC – Queda de 2,2%
Governo PT – Queda de 11,4%

38. Produtividade:
Governo FHC – Aumento de 0,3%
Governos Lula e Dilma – Aumento de 13,2%

39. Taxa de Pobreza:
2002 – 34%
2012 – 15%

40. Taxa de Extrema Pobreza:
2003 – 15%
2012 – 5,2%

41. Índice de Desenvolvimento Humano:
2000 – 0,669
2005 – 0,699
2012 – 0,730

42. Mortalidade Infantil:
2002 – 25,3 em 1000 nascidos vivos
2012 – 12,9 em 1000 nascidos vivos

43. Gastos Públicos em Saúde:
2002 – R$ 28 bilhões
2013 – R$ 106 bilhões

44. Gastos Públicos em Educação:
2002 – R$ 17 bilhões
2013 – R$ 94 bilhões

45. Estudantes no Ensino Superior:
2003 – 583.800
2012 – 1.087.400

46. Risco Brasil (IPEA):
2002 – 1.446
2013 – 224

47. Operações da Polícia Federal:
Governo FHC – 48
Governo PT – 1.273 (15 mil presos)

48. Varas da Justiça Federal:
2003 – 100
2010 – 513

49. 38 milhões de pessoas ascenderam à Nova Classe Média (Classe C)


50. 42 milhões de pessoas saíram da miséria

SOMOS TODOS CHAPECOENSES